A cadeirinha certa para os pequenos

redacao 15 de março de 2018 0
A cadeirinha certa para os pequenos

Escolher a poltrona adequada para transportar as crianças no carro, bem como saber instalá-la corretamente, são medidas relevantes para assegurar a proteção da garotada.

            

Garantir a segurança das crianças deve ser prioridade no momento em que os pais irão escolher o tipo de poltrona mais adequado para transportá-las nos veículos de passeio. “Mais do que a idade”, um dos critérios a se observar na hora da compra “são o peso e a altura [da criança]”, conforme orienta Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor). Além disso, é importante saber a forma correta de instalar o equipamento, a fim de garantir a sua eficácia. Os bebês-conforto são projetados para recém-nascidos com até cerca de 9 kg, e as poltronas reversíveis (as “cadeirinhas”), para carregar desde recém-nascidos até crianças com cerca de 20 kg ou mais, dependendo do modelo. Ambos “devem ser colocados de costas para o banco da frente do carro. Essa posição é a mais segura, porque protege o pescoço do bebê em caso de impacto”, lembra Maria Inês. O terceiro tipo, as poltronas para o posicionamento do cinto do carro (boosters), só pode ser usado por crianças com mais de quatro anos de idade, segundo a resolução do Contran (Conselho Nacional de Trânsito).

Segundo a coordenadora do Proteste, “a legislação brasileira afirma que esse tipo de cadeira é obrigatório para crianças de até sete anos e meio, porém o ideal é que seja utilizada até que tenham 1,45 m de altura”. Ela adverte também que, “no caso dos [assentos] sem encosto, é necessário que o carro tenha proteção para a cabeça, que evite o efeito ‘chicote’ em eventual acidente, grande causador de lesões na medula espinhal. Aqueles com encosto têm a vantagem de posicionar melhor a parte superior do cinto, pois costumam ter ‘passantes’ e ser ajustáveis à altura da criança”. Maria Inês também recomenda o uso do sistema Isofix, pois afirma que ele “oferece um método muito mais seguro de unir o sistema de retenção infantil ao carro”. Os detalhes sobre ele, além de outras orientações e informações pertinentes – como “Conheça a Legislação”, “O que determina o Inmetro”, “Mitos & Verdades” – podem ser consultados na “Cartilha de Cadeirinhas Automotivas”, elaborada pela Proteste, disponível na página www.proteste.org.br/cartilhas.

Contudo, mesmo com todos os cuidados na escolha das poltronas e com a correta instalação delas, há ainda um dado preocupante. Em 2013, um teste realizado pela Proteste, em parceria com a Global NCAP, organização internacional dedicada a melhorar a segurança dos veículos, avaliou a segurança de oito bebês-conforto e de oito cadeirinhas para transportar crianças nos automóveis, disponíveis no mercado latino-americano. O resultado demonstrou que nenhum deles poderia ser classificado como 100% seguro. “Entre as cadeirinhas de 9 a 36 kg, nenhuma obteve resultado de impacto lateral considerado bom, sendo, no máximo, aceitáveis. Para os testes simulando o impacto frontal, apenas [as marcas] Chicco Neptune e Infantil Star foram [consideradas] boas, e o restante, aceitáveis”, comenta Maria Inês.

Com base nos resultados, a Proteste enviou ao Inmetro o pedido de inclusão de testes de impactos laterais, “para que os produtos vendidos no Brasil sejam mais seguros”, enfatiza a coordenadora da ONG.

Serviço
PROTESTE – www.proteste.org.br

Deixe uma resposta »