Adeus lâminas – homens aderem ao laser para fazer a barba

redacao 7 de março de 2018 0

Sem cortes, a depilação a laser está atraindo cada vez mais adeptos.

O cuidado com a beleza não é mais só uma preocupação do sexo feminino. A correria da vida moderna está levando para as clínicas de estética o público masculino, antes avesso a esses lugares. E quando falamos da barba, por exemplo, a tecnologia tem muito a ajudar.

“Ficar livre da lâmina de barbear e ter a comodidade de acordar todos os dias com pele lisa e sem a aspereza dos pelos em crescimento é um conforto almejado pelos homens, e a depilação a laser evita os riscos de cortes, irritações e efeitos colaterais que fazer a barba podem causar”, explica o dermatologista Jorge Mariz.

Foto: Divulgação

Segundo o profissional, o laser elimina cerca de 30% dos pelos a cada consulta e ao final do processo pode interromper o crescimento de até 80% deles. O tratamento é realizado em mais de uma aplicação e o número varia de acordo com a cor, espessura e resistência dos fios, podendo chegar a até 10 sessões.

Quanto ao procedimento, o profissional explica: “O laser é aplicado fazendo vários disparos que destroem os fios pela raiz, impedindo que cresçam novamente. Áreas como a do bigode são bem mais resistentes e os fios não caem imediatamente. É necessário ter paciência e saber que o resultado compensa a dor.”

De acordo com a dermatologista Valeria Campos, não há contraindicação para quem quer usar o método na remoção dos pelos. “Mas podem ocorrer manchas temporárias (mais frequentes) ou cicatrizes definitivas (raro). Um segundo problema é o aumento dos pelos causados pelo uso de energias baixas, que além de serem insuficientes para destruir o pelo, estimulam as células-tronco provocando o aumento deles. Outro fator é o uso de energias intermediárias, que causam o nascimento de pelos finos e claros difíceis de tratar, muito frequente em clínicas onde não há um médico responsável presencial”, diz a doutora. Para quem se interessar, é importante procurar uma clínica especializada, com um médico membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e, de preferência, realizar o tratamento no outono ou no inverno, já que não poderá haver exposição ao sol.

 

  • Evite a exposição solar, apesar de o bronzeado não ser uma contraindicação;
  • O uso de filtros solares permite uma remoção mais eficiente e menos dolorosa a cada sessão;
  • Não há necessidade de os pelos estarem longos, mas entre quatro a seis semanas antes do tratamento o paciente deve parar de depilar ou arrancar os pelos com pinça na área a ser tratada. A presença do pelo no interior do folículo piloso no momento da exposição ao laser aumenta a eficácia do tratamento. A raspagem, o clareamento dos pelos e os cremes depilatórios são permitidos;
  • O uso de soluções tópicas, autobronzeadores ou bronzeamento artificial também deve ser descontinuado nesse período.

 

Dr. Jorge Mariz e Dra. Valeria Campos
Membros da Sociedade Brasileira de Dermatologia
www.sbd.org.br

 

Deixe uma resposta »