Cabeça Erguida

redacao 28 de novembro de 2013 0

A ideia do tema partiu de uma reunião em que falávamos sobre a importância de podermos dormir tranquilos, com a sensação do dever cumprido ou, mais precisamente, do quanto é bom poder prometer só aquilo que podemos entregar.

Estamos falando de honestidade. Infelizmente, temos convivido em nossa vida com promessas maravilhosas que não serão cumpridas, mas que não pesam na consciência de quem promete. A desonestidade virou esperteza, oportunidade, estratégia ou qualquer outro termo que se queira dar, menos desonestidade.

Não sei se o motivo é a educação dada e a falta de exemplos dos pais, a impunidade dos políticos corruptos mostrada nos meios de comunicação, a competitividade, a busca cega por bens materiais ou tudo junto, porém o fato é que a honestidade, que deveria ser uma regra se tornou exceção.

Como é bom poder seguir de cabeça erguida. E como as coisas poderiam estar muito melhores, se valorizássemos o certo e repudiássemos o desonesto.

Tudo isso parece óbvio, entretanto estamos longe desta prática. Muitas vezes aceitamos a malandragem, o “me engana que eu gosto”, pensando que também estamos “levando vantagem”, quando na verdade, estamos incentivando o errado e de alguma forma ou em algum momento, seremos cobrados.

Praticar e pôr a honestidade como requisito básico e obrigatório em nossa vida pessoal e profissional pode não mudar o mundo, mas certamente teremos filhos melhores e uma vida muito mais tranquila. Pense nisso!

Fiquem com Deus e até a próxima!

Paulo César Cardoso
paulopat@pacprommos.com.br

Deixe uma resposta »