Como cuidar bem da sua memória

redacao 8 de março de 2018 0

418215_2815
A vida contemporânea trouxe um acúmulo de funções para a maioria das pessoas, principalmente as das megalópoles. São tantas responsabilidades e obrigações que vários setores da vida são prejudicados, entre eles, a memória.
“A memória é uma das nossas funções cognitivas mais importantes e serve para arquivar experiências e informações adquiridas ao longo da vida. A perda de memória patológica
acomete, principalmente, a memória de curto prazo, aquela que usamos para
nos lembrar de algo recente”, revela o dr. Fábio Roesler, psicólogo e Neuropsicólogo da Clínica de Cefaleia e Neurologia “Dr Edgard Raffaeli”, com especialização em Neurofeedback pela INBIO (Instituto Nacional de Biofeedback) e coautor do livro
“Personagens ou Pacientes?”, da Editora ARTMED.

745187_49253045
Segundo o profissional, a área da neuropsicologia que estuda a memória ainda é muito nebulosa. Mas estudos mostram que os bons hábitos de vida são verdadeiros aliados
da boa memória: “Dentre eles, a prática de atividade física aeróbica por, pelo menos, três vezes na semana. O exercício intensifica a capacidade cognitiva, de atenção e concentração. Outro fator muito importante é o sono. Noites mal dormidas interferem muito na manutenção
da memória, já que ela é consolidada neste período”, prossegue. O tabagismo e o uso frequente de álcool também são prejudiciais, pois provocam um envelhecimento cerebral precoce.

Para saber até que ponto sua memória pode estar comprometida, de acordo com o médico, o ideal é realizar uma bateria de exames, mas ele já adianta que existem procedimentos que ajudam muito a manter a memória saudável e podem ser feitos por qualquer pessoa, pois são sempre benéficos.
“Boas dicas que podem melhorar significativamente a memória e a atividade cognitiva são a leitura, o aprendizado de novas línguas, a prática de exercícios matemáticos e a constante sociabilização. Certamente, estes são hábitos importantes para a manutenção da memória e para retardar o surgimento de demências comuns à idade avançada, acima dos 65 anos,” finaliza ele.

Deixe uma resposta »