Entrevista exclusiva com Bruna Lombardi

redacao 12 de agosto de 2016 0

vest preto transp

Ela está prestes a completar 64 anos, mas a sua jovialidade e beleza ainda a tornam uma das mulheres mais lindas do Brasil. Não à toa, ela se considera feliz e realizada em todos os aspectos da sua vida, por isso, tem inspirações para escrever, atuar e criar novos projetos.

Como ela mesma se define, a Bruna Lombardi é uma mistura de artes: se dedica ao cinema, aos seus livros, seleciona o personagem em participações de televisão quando se apaixona pelo personagem e, em breve, lançará um portal para interagir e disseminar ainda mais a felicidade, o grande motivador dos seus projetos.

Neste bate-papo exclusivo a artista conta tudo sobre a sua trajetória, suas conquistas e seu estilo de vida, que a fazem ter o corpo e a aparência de dar inveja em muitas mocinhas. Confira!

Em Dia – Você começou como modelo e mesmo com formação em duas faculdades (Jornalismo e Publicidade), acabou na carreira de atriz. Como foi isso?
Bruna Lombardi – Desde cedo eu descobri a Literatura. Comecei a escrever bem menina. Não pensava em ser atriz, mas aos 14 anos fui convidada para fazer fotos. Comecei assim minha carreira de modelo, posando para diversas capas de revistas do País. E logo fui chamada para protagonizar uma novela na TV Globo, “Sem Lenço, sem Documento”, do Mário Prata. Do nada era protagonista. Era como se você abrisse uma porta e entrasse uma multidão!

ED – Depois de tantas novelas, você parou de atuar na TV. Por quê?
BL – Eu adoro televisão. Faço quando me apaixono pelo personagem. De resto, é uma questão de agenda. Minha agenda é muito cheia, mas gosto do que faço. Meus filmes, meus livros, minhas redes sociais… Agora vamos lançar o portal “Rede Felicidade”, que é uma grande comunidade interativa com o público, para inspirar as pessoas a viverem melhor. E quanto à TV, em breve estaremos lançando uma nova série, mas ainda não posso contar nada.

ED – Quais trabalhos, entre novelas e filmes, você considera marcantes em sua carreira?
BL – Tive a sorte de fazer vários trabalhos que eu amo e tenho o maior orgulho deles. A série “Grande Sertão Veredas”, da obra-prima de Guimarães Rosa, virou ícone, é clássica. Foi um trabalho transformador, que me fez escrever um dos meus livros, “O Diário do Grande Sertão”, que relata toda essa trajetória tão única da minha vivência no sertão. Fora todos os meus livros, poesia e romance, tem nossa produção de cinema. Nosso filme “O Signo da Cidade”, que foi muito premiado e me fez viajar pelo mundo afora, conversando com plateias maravilhosas, nos deu um retorno fabuloso. Foi uma jornada extraordinária. Outro filme que fizemos, também premiado, a comédia “Onde está a Felicidade?”, foi rodado na Espanha, onde fizemos o Caminho de Santiago de Compostela e foi uma das melhores experiências da minha vida. Foi um filme on the road, com uma equipe gigante, numa aventura muito divertida e insólita. E o resultado deixou todo mundo feliz.
Recentemente, lançamos “Amor em Sampa”, que é um filme multigênero, e o público adorou.

ED – E como foi escrever o roteiro de “Amor em Sampa”? Quais foram as inspirações para compor a história?
BL – A própria cidade e as pessoas me inspiraram. “Amor em Sampa” busca a ideia de se repensar a cidade e a nossa atitude nela. Queremos mais gentileza, mais amor e mais humor. E isso não tem preço!

ED – Nele você vive uma executiva bem sucedida. Por que reservou este papel pra você e como foi atuar em um filme “familiar”, dirigido pelo seu marido (Carlos Alberto Ricelli) e filho (Kim Ricelli)?
BL – Eu sou daquelas que se pergunta o que fiz para merecer tanto amor e sou profundamente agradecida, porque acho que o maior presente é poder trabalhar no que se gosta e com quem se ama. A gente divide e mistura o trabalho em tudo o que fazemos: arte e vida, criação e diversão, compromisso e responsabilidades. É a loucura de buscar a excelência e fazer um trabalho generoso, que toque as pessoas, mexa com as emoções e faça super bem a todos.

ED – Hoje você está mais voltada ao cinema e à Literatura. Qual a diferença entre atuar e essas duas novas áreas que você tem explorado?
BL – Tudo é arte e tudo está conectado. A poesia sempre esteve presente na minha vida. A escrita foi minha primeira manifestação artística, meu primeiro canal de expressão com o mundo, bem antes dos trabalhos de modelo e atriz. Gosto de escrever, explorar, descobrir gêneros, adoro atores e adoro contar histórias. Acho que por isso é que dá certo.

ED – Além de mais sete títulos, agora você lançou o livro “Jogo da Felicidade”. Do que se trata e como foi escrevê-lo?
BL – Estudei muito a Cabala e a Mitologia para escrever esse livro. Muitos falaram que o “Jogo da Felicidade” é como um oráculo moderno que revela, ao longo de 21 capítulos, maneiras de transpor os obstáculos que se colocam diariamente no caminho dos nossos desejos e conquistas. O livro pode ser lido normalmente ou aberto ao acaso, sempre que o leitor sentir que precisa de um guia. Mas a consulta precisa ser feita com respeito e sem banalização.

ED – O que você acha que falta nas pessoas para que elas realmente sejam felizes?
BL – Até fiz um post na minha página do Facebook outro dia que dizia: “A felicidade é o melhor cosmético”. É isso! Temos de ter uma vida ativa, curtir a natureza, o ar livre, as pessoas que nos fazem bem e viver em harmonia. Só assim para a gente equilibrar tanta coisa ruim que acontece no mundo.

ED – Você parece ser uma pessoa serena, que sempre vê o lado bom das coisas. Qual o segredo para viver deste jeito, em uma vida tão corrida como a que vivemos?
BL – Sou feliz todos os dias com o que faço. Sei que tenho uma responsabilidade grande. Por isso, escrevo coisas boas, afetivas, que façam bem e tenho tido esse retorno maravilhoso. A felicidade é um grande tema no momento e creio que lançar o portal Rede Felicidade seja importante. Ele vai ser um lugar para as pessoas se encontrarem, interagirem, aprenderem a serem mais felizes. Muita gente me diz que através do que escrevo tem achado mais alegria de viver, tem superado problemas de depressão, parado de tomar medicamento, tem encontrado motivação na vida. Fico muito feliz com isso. A gente vê tanta crise, desemprego, enfrenta tanta coisa. A gente quer lutar contra essa impunidade que está aí.

ED – Você ainda é considerada uma das mulheres mais bonitas do País. Qual o seu segredo para isso?
BL – Sou muito feliz, positiva, sempre fui. Gosto de ajudar as pessoas, indicar um norte. Agradeço a Deus por tudo. Agradeço e sei que a gente tem de compreender a relação com o tempo e se dedicar ao que ama. Acho que faço isso. E vivo na natureza o maior tempo que posso. Acredito que a natureza é restauradora e, por isso, devemos lutar para preservar nosso planeta, nosso País, nossa cidade, nosso bairro. Cuidar do que a gente ama, viver em harmonia com o que se tem e distribuir felicidade. São metas que norteiam a minha vida.

ED – Já há previsão ou tema para um próximo livro?
BL – Claro, assim que terminar a série, vou lançar mais um…

ED – Por fim, quais projetos profissionais você tem para o final deste ano e para 2017, que já pode adiantar pra gente?
BL – A nossa Rede Felicidade, que vem aí e vai ser nosso lugar especial, nosso portal de encontro e interatividade, onde vou poder conversar com todos, responder perguntas e ter uma participação ainda maior daqueles que já fazem parte da minha página no Facebook. Vou continuar as minhas redes sociais e o portal vai permitir que eu disponha de novos recursos para levar ainda mais conteúdo às pessoas.
Também vai ter a nova série de televisão, que vamos divulgar em breve. Vou continuar trocando essa energia maravilhosa com o público e fazer trabalhos que toquem o coração de todos.

Deixe uma resposta »