Fernanda Souza revela que quer voltar a ser apresentadora

redacao 26 de janeiro de 2016 0

Foto: Globo / Tata Barreto

Quem acompanha a carreira de Fernanda Souza sabe que trabalhar é com ela mesma! Aos cinco anos, já fazia propagandas de televisão e, aos oito, apresentava o ‘X-Tudo’ (1992), infantil da TV Cultura. Com 13, estourou interpretando a órfã Mili da novelinha ‘Chiquititas’ (1997), no SBT. Dois anos depois, estreou nas novelas da Globo com ‘Andando nas Nuvens’. Até hoje integra o cast da emissora, tendo feito papéis marcantes como a engraçada Mirna de ‘Alma Gêmea’ (2005) e a despachada Carola de ‘O Profeta’ (2006). Hoje, com 31 anos, a atriz comemora participar, pela primeira vez, de uma trama do horário nobre, vivendo a sedutora Mel de ‘A Regra do Jogo’. E não é só. Ela está no remake do programa ‘Escolinha do Professor Raimundo’, no qual interpreta Tati, a típica adolescente criada (e personificada) por Heloísa Périssé.

Com sete episódios, a atração é fruto da parceria dos canais Globo e Viva. Estreia primeiro, no dia 23, na emissora a cabo, onde serão exibidos cinco episódios diariamente. O especial completo, isto é, com mais dois programas inéditos, irá ao ar na Globo a partir de dezembro, sempre aos domingos.

Nesta entrevista exclusiva, a atriz conta como foi encarar o desafio de viver tipos tão distintos. Fernandinha fala também sobre o figurino provocante de sua personagem na novela global. Em cena, ela exibe o corpão trabalhado de cinco a seis vezes por semana com ginástica funcional, musculação, esteira e aulas de muay thai.

Em Dia – Como conciliou as gravações da novela e da ‘Escolinha do Professor Raimundo’?
FERNANDA SOUZA –
Foi tudo muito tranquilo. Gravamos o programa inteirinho em uma semana, de segunda a sexta-feira. No sábado, eu já estava no estúdio fazendo as minhas cenas de ‘A Regra do Jogo’.

ED – Como recebeu essa tarefa de viver Tati no remake do humorístico, papel que, a princípio, seria de Tatá Werneck?
FERNANDA –
A Tatá não aceitou porque estava gravando a reta final da novela ‘I Love Paraisópolis’ e então me chamaram. Na verdade, ganhei um presente de Natal antecipado. Fazer parte de uma homenagem a um cara tão incrível e generoso quanto Chico Anysio só me faz ver como sou sortuda!

ED – Apesar de você ser bem jovem, traz alguma lembrança do programa de humor original?
FERNANDA –
Somente de flashbacks mostrados em outros programas de televisão, mas do Chico eu me lembro bem, como o Alberto Roberto, no ‘Zorra Total’. Eu gostava muito desse personagem.

ED – E da Tati, criada por Heloísa Périssé, que, além da ‘Escolinha’, protagonizou o quadro ‘Papo Irado’ (2002/2003) no ‘Fantástico’?
FERNANDA –
Eu adorava vê-la na tevê, no ‘Fantástico’, mas eu me lembro mais da Tati como uma das personagens do espetáculo ‘Cócegas’, que ficou em cartaz muitos anos e então eu pude assistir várias vezes no teatro. Por essa peça ter sido vista por tanta gente e estar mais recente na memória do público, e pela Heloísa ser minha amiga, posso dizer que interpretar a Tati foi um trabalho de grande responsabilidade.

ED – Você já fez comédia no teatro, no cinema e na televisão. Isso lhe tranquilizou para participar do humorístico?
FERNANDA –
Eu sou uma atriz que faz comédia e não uma humorista, por isso fiquei apreensiva quando recebi o convite. Mas depois vi que tinham muitos outros atores no especial, além de apresentadores e humoristas, então fiquei mais tranquila. O texto é muito bom e os autores (Daniel Adjafre e Péricles Barros) deixaram o elenco à vontade para contribuir. E a direção (de Cininha de Paula) em nenhum momento pediu para a gente copiar os personagens homenageados. Esses tipos que fizeram história na tevê foram quase que recontados nessa nova versão.

ED – E que tal fazer uma novela das nove?
FERNANDA –
Outro presente! Uma alegria! Eu sou muito fã do João Emanuel Carneiro (o autor da trama) e da Amora Mautner (a diretora). Trabalhar com eles é a realização de um sonho.

ED – No início da novela, sua personagem vivia no Morro da Macaca. Você teve de fazer algum laboratório para viver uma garota de comunidade?
FERNANDA –
Nós passamos um dia todo no Vidigal, no Rio, andamos pelas ruas, entramos nas casas, conversamos com as pessoas, almoçamos lá. Fora todas as reuniões e ensaios que fizemos com nosso núcleo.

ED – Sua personagem, a Mel, adora exibir o corpão. Você fez algum treino específico ou dieta para viver esse papel?
FERNANDA –
Não, não tive que fazer nada especial, só mantive a minha rotina diária de treino. E, mesmo depois que a novela começou, eu continuei treinando numa boa. Mesmo com as gravações, sempre dá tempo de tirar uma hora do dia para isso. Preciso ter energia e cuidar da minha saúde é fundamental. Na alimentação, não sigo dietas. Acredito na reeducação alimentar. Não tenho proibições, mas tento ser o mais saudável que posso.

ED – O que acha do figurino decotado, justinho e minúsculo da Mel?
FERNANDA –
Tranquilo! O figurino ajuda muito na hora de compor uma personagem. E a Marie Salles, nossa figurinista, conseguiu um estilo para a Mel que é muito particular. A maior parte das peças da personagem são feitas no Projac (complexo de estúdios da TV Globo no Rio de Janeiro). Não são roupas vendidas em loja. É uma criação deles. Acho isso genial!

ED – Mel é provocante. Fernanda Souza também tem esse lado?
FERNANDA –
Não, isso não tem nada a ver com a minha personalidade. Aliás, a única coisa que nós duas temos em comum é a profissão. Eu sou atriz e a Mel é uma figurante de novelas e comerciais de tevê que tenta realizar o sonho de se tornar atriz.

ED – Como o público reage à Mel, que iniciou a trama sendo amante de Vavá (Marcello Novaes) e agora passou ao posto de titular, desbancando Janete (Suzana Pires)?
FERNANDA –
Alguns defendem as atitudes de Mel, outros discordam, mas como a personagem é muito divertida, acho que as pessoas levam numa boa. Apesar de ser errado o que ela fez!

ED – E a história mal contada da Mel com o Nenenzinho (Allan Souza Lima)? Eles são só irmãos de criação ou têm ? ou tinham ? um caso?
FERNANDA –
Ih, isso eu não posso falar! (risos). Tem de assistir para saber.

ED – Você cresceu na tevê, está na novela do horário nobre e em um especial de humor. Ainda falta algo para você experimentar nesse veículo?
FERNANDA –
Sou louca para fazer uma vilã. E louca para continuar como apresentadora também (ela esteve à frente da transmissão do festival ‘Lollapaloosa’ deste ano, na Globo). Eu amo me comunicar através de uma personagem ou como Fernanda mesmo.

Deixe uma resposta »