O vinho realmente evita doenças?

redacao 22 de março de 2018 0

Foto: Divulgação

“Deve-se ter muita cautela ao recomendar o consumo de vinho para benefícios à saúde devido ao seu teor alcóolico, já que a alta ingestão de álcool pode estar associada ao maior risco de desenvolvimento de doenças”…

Não é especulação. Várias pesquisas já compro­varam que o vinho, em especial o tinto, consumido em doses moderadas, não só é ótimo para combater o câncer, mas também para reduzir o colesterol e evitar coágulos nos vasos sanguíneos.

“A uva apresenta um efeito antioxidante devido a seu teor de polifenóis e compostos fenólicos. O composto que está presente em maior quantidade na uva é o resveratrol (presente na casca da uva), principalmente nas uvas vermelho-roxas escuras. E é por esta razão que os vinhos tintos feitos com as uvas das espécies Vitis vinífera e Vitis labrusca são os que apresentam a maior quantidade de resveratrol, e tem sido associado o seu consumo com a prevenção de doenças cardiovasculares. No entanto, seus efeitos dependem também de um consumo adequado e uma alimentação equilibrada,” esclarece a profª dra. Tatiane Vanessa de Oliveira, professora do Bacharelado em Nutrição do Centro Universitário Senac – Santo Amaro.

Há muitos anos tido como uma espécie de substância milagrosa, o resveratrol é um composto que, segundo pesquisas, poderia retardar o envelhe­cimento e combater o câncer e a obesidade. Porém, até hoje, estudos feitos em laboratório revelaram resultados animadores em testes com camundongos, mas ainda não foram conclusivos sobre a eficiência em seres humanos.

Foto: Divulgação

Mais que isso, Juliana Morimoto, professora de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, lembra que “há dificuldade em uma recomendação para o consumo de vinho devido à limitação do consumo de álcool. Além do vinho, os sucos concentrados de uvas poderiam ter o mesmo benefício com a vantagem da ausência do álcool. Por isso deve-se ter muita cautela ao recomendar o consumo de vinho para benefícios à saúde devido ao seu teor alcóolico, já que a alta ingestão de álcool pode estar associada ao maior risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, cirrose hepática, câncer, entre outras doenças”. Justamente por causa da presença do álcool no vinho é que, segundo as profissionais, não se pode dizer ao certo em que doses se pode consumir a bebida sem causar mais prejuízo do que benefício à saúde.

“Não existe uma recomendação específica”, alerta a profª dra. Tatiane. “A ‘American Heart Association’ recomenda uma alimentação balanceada, incluindo frutas, vegetais e grãos integrais para auxiliar na prevenção de doenças cardiovasculares, pois o álcool presente no vinho pode desencadear o aumento da pressão arterial. No entanto, eles recomendam que se houver o consumo, esse seja moderado e não passe de duas doses por dia para homens e uma dose por dia para mulheres. Estas recomendações equivalem a 120ml por dia de vinho, que deve ser consumido com uma refeição. Mas ainda se faz necessária a realização de estudos mais aprofundados a fim de se chegar a um consenso, pois apesar de vários trabalhos comprovarem os benefícios do resveratrol na prevenção de doenças cardiovasculares, também existem estudos que não mostram os mesmos resultados. Vale ressaltar que essa recomendação considera indivíduos saudáveis e que indivíduos obesos, diabéticos ou com outras doenças devem seguir a recomendação do seu médico e do nutricionista”.

Serviço:
Universidade Presbiteriana Mackenzie
www.mackenzie.br

SENAC
www.sp.senac.br

Deixe uma resposta »