Skate é coisa de menina, sim!

redacao 4 de julho de 2014 0

Foto: Divulgação

Mulheres brasileiras aderem cada vez mais ao skate. Nas ladeiras do Museu Paulista, parques e no centro da Cidade, elas conquistaram o espaço antes só masculino.

Na década de 1930, lojistas dos EUA perceberam que quando as crianças quebravam a parte de cima do patinete continuavam brincando só com a parte de baixo, esboço do que seria um esporte praticado no início só por homens, mas que depois conquistaria também as mulheres. Em meados dos anos 1960 surfistas californianos transformariam aquela ideia no popular skate colocando rodinhas de patins em uma madeira imitando uma prancha. Rapida­mente a prática se espalharia primeiro por todos os Estados Unidos, chegando ao Brasil em 1965. E o esporte aqui caiu nas graças das brasileiras, formando inclusive campeãs como Letícia Bufoni, quatro vezes campeã mundial; Christie Aleixo, campeã brasileira e sul-americana; e Renata Paschini, quinta no ranking mundial da modalidade, que conheceu o esporte por intermédio de seu primo.

Foto: Divulgação

“Ele me apresentou o skate e foi amor à primeira ‘remada’. Comecei a praticar aos 13 anos e nunca mais parei, porém sofri demais com o preconceito, minha família não aceitava, proibia e até chegaram a esconder meu skate”, comenta. Para divulgar o skate feminino e trazer mais adeptas à prática do esporte, Renata criou a Associação Feminina de Skate (AFSK), ONG que promove campeonatos, encontros, além de coordenar um horário dedicado às mulheres na pista de São Bernardo do Campo, a maior da América Latina. A skatista conta que as meninas sempre tiveram vontade de andar de skate e, que após, a exposição do skate na mídia, principalmente na televisão, impulsionou ainda mais. A estudante Jana Santis, 21 anos, foi incentivada a andar de skate pelo ex-namorado. Decidiu comprar um e afirma que hoje o esporte é parte essencial da sua rotina: “O skate faz parte da minha vida, se não ando parece que está faltando alguma coisa. Entre umas quedas e outras, estou aprendendo, e não tem nada mais prazeroso do que ver que estou evoluindo cada dia mais”. No entanto, as vantagens do skate não passam apenas pelo bem-estar interior, há também uma melhora no condicionamento físico: “Mulheres que andam de skate tendem a desenvolver coxas torneadas, glúteos tonificados e fortalecidos, além de ganhar flexibilidade, equilíbrio e resistência”, explica a personal trainer, Erika Camargo.

Serviço
ONG AFSK – Associação Feminina de Skate
afskskatefeminino.blogspot.com.br

Confira alguns lugares para andar de skate:
Parque da Juventude
www.juventude.sp.gov.br

Parque da Independência (Museu Paulista)
Infos.: 2273-7250

Parque Zilda Natel
Infos.: 3862-2921

Deixe uma resposta »