Troca de pelos – um processo natural

redacao 21 de outubro de 2014 0

Foto: Divulgação

DIVERSOS FATORES INFLUENCIAM NA QUEDA DE PELOS, PORÉM É PRECISO FICAR ATENTO QUANDO OCORRER EM EXCESSO.

Um dos fatores que muitas vezes intriga os donos de pets é a troca de pelos. Porém, esse é um processo natural que, em média, acontece duas vezes ao ano. Segundo o professor doutor Ronaldo Lucas, coordenador Clínico do Hospital Veterinário da Universi­dade Anhembi Morumbi, “os pelos dos cães são como os nossos pelos e cabelos. Ambos possuem um ciclo: cumprem uma fase de crescimento, se estabilizam e depois caem. Em breve, nascerá uma nova pelagem no mesmo folículo”.

É preciso ressaltar também que em nosso país a queda não está diretamente relacionada à troca das estações do ano. “Em países tropicais isso não é definido. Alguns cães fazem trocas atípicas, pois as nossas estações são muito parecidas em termos de fotoperíodo (estímulo ambiental das plantas, que nada mais é do que a relação entre a duração dos dias, tempo iluminado, e das noites, período escuro)”, afirma o dr. Ronaldo.

Já no caso dos filhotes, a queda ocorre durante a transição de fase, de bebê para adulto, sendo um processo normal. “Neste momento, os bichinhos perdem o lanugo (pelo macio e fino) e ganham a pelagem definitiva”, conta o especialista.

Outro fator que pode influenciar na qualidade do pelo é a alimentação. De acordo com o Dr. Ricardo, isso pode ser observado quando eles estão sem brilho e quebradiços. “Entretanto corrigindo a alimentação para uma ração adequada e balanceada, eles voltarão ao normal”, disse o doutor.

Após analisar todos esses fatos, se a queda for excessiva ou ocorrerem possíveis falhas na pelagem, um médico veterinário deve ser consultado para verificar se não se trata de uma doença de pele. “Apenas um exame chamado tricografia ou trocograma, realizado macroscopicamente, poderá indicar se as falhas estão relacionadas a dermato­patias”, explica.

[box title=”RAÇA x TROCA DE PELO” color=”#333333″]

PELO CURTO: Faz a troca o tempo todo, como Dálmata, Pit Bull e Pinscher;

SUBPELO: Troca duas vezes ao ano, como Pastores, Akitas e Huskies;

PELO LONGO: Muda o tempo todo, mas a fase de crescimento pode ser muito longa e o proprietário do bichinho pode nem perceber. Nesta categoria encaixam-se Poodles e Yorkshires. Os pelos destes animais se comportam como o couro cabeludo dos seres humanos, ou seja, crescem por anos, mas uma porcentagem cai ou sai durante a escovação.

[/box]

Serviço:
Hospital Veterinário da Universidade Anhembi Morumbi
Rua Conselheiro Lafaiette, 64 – Brás
Tels.: 2790-4642 / 2790-4643

Deixe uma resposta »